Manual do Aplicativo de Coleta Simplificada

De cmd
Ir para: navegação, pesquisa

APRESENTAÇÃO

O presente manual tem o objetivo de auxiliar o usuário do Aplicativo de Coleta Simplificada do CMD, sistema desenvolvido pelo Ministério da Saúde como opção para coleta e envio de dados dentro da estratégia do Conjunto Mínimo de Dados da Atenção à Saúde, a instalar e utilizar a referida ferramenta.

O Conjunto Mínimo de Dados da Atenção à Saúde, ou CMD, é o documento público que coleta os dados de todos os estabelecimentos de saúde do país em cada contato assistencial e foi instituído pela Resolução CIT nº 6, de 25 de agosto de 2016. Trata-se de uma estratégia assumida pelos gestores do Sistema Nacional de Saúde das três esferas de gestão para redução da fragmentação dos sistemas de informação que possuem dados de caráter clínico-administrativo da atenção à saúde.

O CMD substitui os principais sistemas de informação da atenção à saúde do país, Sistema de Informações Ambulatoriais (SIA), Sistema de Informação Hospitalar (SIH) e Comunicação de Informação Hospitalar e Ambulatorial (CIHA), bem como seus subsistemas de coleta e apoio e foi concebido visando atender às seguintes finalidades:

  • Subsidiar as atividades de gestão, planejamento, programação, monitoramento, avaliação e controle do sistema de saúde, da rede de atenção à saúde e dos serviços de saúde;
  • Auxiliar na formulação, no monitoramento e na avaliação das políticas de saúde;
  • Compor as estatísticas nacionais de saúde, permitindo conhecer o perfil demográfico, de morbidade e mortalidade da população brasileira atendida nos serviços de saúde;
  • Conhecer as atividades assistenciais desenvolvidas por todos os estabelecimentos de saúde no país;
  • Fomentar a utilização de novas métricas para a análise de desempenho, alocação de recursos e financiamento da saúde;
  • Possibilitar a realização dos processos administrativos necessários às três esferas de gestão do SUS, incluindo o faturamento dos serviços prestados à população; e
  • Disponibilizar informações assistenciais em nível nacional comparáveis com as informações internacionais em saúde.

ENTENDENDO O CMD

A unidade de registro do CMD é o contato assistencial, definido como o atendimento ininterrupto dispensado a um indivíduo em uma modalidade assistencial e em um mesmo estabelecimento de saúde.

A coleta dos dados de um contato assistencial ocorre de duas formas: total, no seu desfecho; ou parcial, no caso de atendimentos cuja duração ultrapasse o último dia do mês.

No caso da coleta parcial, o desfecho do contato deverá ser informado como "Permanência" e neste caso não possui uma data de desfecho. O envio seguinte deve conter os procedimentos realizados após a data de realização do último procedimento informado no envio anterior e deve contemplar todos os procedimentos realizados até o último dia do mês, bem como devem ser mantidos os procedimentos já informados em envios anteriores. Desta forma, o estabelecimento de saúde editará o contato já enviado apenas acrescentando os procedimentos realizados posteriormente.

A coleta parcial de um contato não é obrigatória. O estabelecimento de saúde pode optar por coletar e enviar o contato assistencial apenas no seu encerramento, desde que respeitado o prazo de envio do Webservice de até 12 meses da data de admissão. O CMD tem a premissa de não obrigar o uso de uma ferramenta disponibilizada pelo Ministério da Saúde para a coleta dos dados. Assim, embora o Ministério da Saúde disponibilize um aplicativo simplificado para coleta de dados, o estabelecimento de saúde pode utilizar seu próprio sistema e integrar ao Webservice.

De acordo com o conceito de contato assistencial, deve ser gerado um novo contato sempre que alguma de suas condições essenciais for modificada, ou seja, sempre que mudar o indivíduo atendido, o contato for interrompido, ou que haja mudança de modalidade assistencial ou de estabelecimento de saúde. Por exemplo, no caso de um estabelecimento de saúde que, em um contato de duração maior que 1 dia, encaminha o indivíduo para realização de um atendimento complementar em outro estabelecimento de saúde e o mesmo retorna ao estabelecimento de origem para continuidade do cuidado, deve-se registrar os atendimentos como contatos assistenciais diferentes em cada serviço.

Reforça-se que, ainda que o envio do contato seja parcial, não pode haver mudança de contato assistencial por este motivo. Dessa forma, o contato que iniciou em um mês e termina em outro mês é enviado parcialmente com a mesma chave e com todas as informações coletadas a cada mês.

Lembramos que o modelo de informação do CMD, para registro de um contato assistencial, foi publicado pela Resolução CIT nº 06 de 2016 e alterado pela Resolução CIT nº 34 de 2017, podendo ser consultado no seguinte endereço eletrônico: https://goo.gl/ycfTW1.  

Aplicativo de Coleta Simplificada do CMD

O Aplicativo de Coleta Simplificada do CMD é o sistema disponibilizado para coleta e envio de dados de contatos assistenciais dentro da estratégia do Conjunto Mínimo de Dados e foi desenvolvido pelo DATASUS/RJ a partir das definições negociais da CGSI.

A referida aplicação pode ser instalada em Sistema Operacional Windows ou Linux e, além disso, é permitida a instalação do Banco de Dados em computadores diferentes, o que possibilita o uso de um servidor exclusivo para o Banco de Dados. É possível, também, instalar o Sistema em rede, o que permite a digitação simultânea por mais de uma estação de trabalho.

Uma das características do aplicativo é que, para cada campo em que o preenchimento se baseia em uma lista de opções, há a opção de listagem vinculada ao campo, para que o operador, de forma opcional, possa realizar uma busca por código ou descrição, procurando facilitar o processo de trabalho.   

INSTALAÇÃO DO APLICATIVO DE COLETA SIMPLIFICADA DO CMD

Para instalar ou atualizar a versão do Aplicativo de Coleta Simplificada do CMD, acesse o link de instalação e realize as seguintes instruções: File:Image2.png      

Clique no conteúdo que deseja instalar (Figura 01):
  1. 1º acesso: Instalador_CMD_Homologação.zip
  2. Atualização: Atualizador_CMD_Homologação.zip
Figura 01: Conteúdo de diretório de instalação/atualização.

Após, clique em “OK” para abrir o conteúdo na ferramenta de compactação instalada em seu computador, conforme Figura 02.

Figura 02: Ferramenta de compactação.

Clique em “Instalador_CMD” para que o Assistente de Instalação do Aplicativo de Coleta Simplificada do CDM seja iniciado (Figura 03).

Figura 03: Instalação do Aplicativo de Coleta Simplificada do CDM.

No Assistente de Instalação do Aplicativo de Coleta Simplificada do CDM, clique em “Avançar” e, após, selecione o local de sua máquina em que deseja salvar a pasta “CMD” e clique em “Avançar” novamente (Figuras 04 e 05).

Figura 04: Tela do assistente de instalação do Aplicativo de Coleta Simplificada do CDM.
Figura 05: Tela do assistente de instalação do Aplicativo de Coleta Simplificada do CDM.

Selecione a opção “Sim” para instalar o sistema gerenciador de Banco de Dados, clique em “Avançar” e, posteriormente, em “Instalar” (Figuras 06 e 07).

Figura 06: Tela do assistente de instalação do Aplicativo de Coleta Simplificada do CDM.
Figura 07: Tela do assistente de instalação do Aplicativo de Coleta Simplificada do CDM.
O sistema apresentará telas (Figuras 08 e 09) que indicarão o processo de instalação do Aplicativo de Coleta Simplificada do CDM.
Figura 08: Tela do assistente de instalação do Aplicativo de Coleta Simplificada do CDM.
Figura 09: Tela do assistente de instalação do Aplicativo de Coleta Simplificada do CDM.

Após a finalização do processo de instalação (Figura 10), clique em “Concluir” (Figura 11).

Figura 10: Tela do assistente de instalação do Aplicativo de Coleta Simplificada do CDM.
Figura 11: Tela do assistente de instalação do Aplicativo de Coleta Simplificada do CDM.

Ao concluir, o sistema disponibilizará o arquivo “LEIA-ME” (Figura 12), que contém esclarecimentos sobre o sistema a fim de auxiliar o usuário na utilização do Aplicativo de Coleta Simplificada do CDM.

Figura 12: Arquivo LEIA-ME obtido após instalação do Aplicativo de Coleta Simplificada do CDM.

ACESSO À APLICAÇÃO

Para acessar o Aplicativo de Coleta Simplificada do CDM, dê dois cliques no ícone de atalho da aplicação criado na área de trabalho da máquina no momento da instalação do sistema, que possui o símbolo gráfico representado na Figura 13.

Figura 13: Ícone de atalho do Aplicativo de Coleta Simplificada do CDM.

Ao dar dois cliques no ícone acima, será aberta a tela de login do Aplicativo de Coleta Simplificada do CDM em que se deve digitar a identificação e a senha do usuário, conforme Figura 14 e, em seguida, clique em “Entrar”. Será aberta, então, a tela inicial do sistema (Figura 15).

Figura 14: Tela de login do Aplicativo de Coleta Simplificada do CDM. 
Figura 15: Tela de inicial do Aplicativo de Coleta Simplificada do CDM. 

TABELAS DO SISTEMA

Para utilizar o sistema, deve-se primeiro importar ou baixar as tabelas necessárias para funcionamento do Aplicativo de Coleta Simplificada do CDM e, para isso, é preciso clicar no menu “Configurar” e, em seguida, selecionar “Tabelas do Sistema” (Figura 16).

Figura 16: Menu “Configurar” na tela inicial do Aplicativo de Coleta Simplificada do CDM.

Uma Caixa chamada “Carga de Tabelas do Sistema” (Figura 17) será aberta e nela poderão ser carregadas a Tabelas do CMD, as quais são: Caráter de Atendimento; CBO; CID; Desfecho; Justificativa de CNS; Modalidade Assistencial; Procedência; Fonte de Financiamento; Habilitação; Regra Condicionada; Serviço; Detalhe; Terminologia; Procedimento; TUSS e Serviço Classificação.

Conforme exibido na Figura 17, as tabelas podem ser carregadas por dois caminhos diferentes: “Serviço Web do CMD” ou “Arquivo PDB baixado do portal do CMD”.

Figura 17: Caixa de Carga de Tabelas do Sistema.
Ao optar por carregar as tabelas via “Serviço Web do CMD”, deve-se selecionar essa opção (como demonstrado na Figura 17) e, então, clicar em “Carregar” no final da caixa de carga de Tabelas. Enquanto as Tabelas forem carregadas, permanecerá escrita a mensagem de “Carregando Tabelas” na parte inferior da caixa (Figura 18) e, a coluna “Progresso” mostrará a evolução do carregamento de cada tabela (Figura 18). 
Figura 18: Mensagem informando que as Tabelas do Sistema estão sendo carregadas.

Ao final, quando todas as tabelas forem carregadas, será apresentada uma caixa de diálogo com a mensagem de “Importação realizada com sucesso” (Figura 19). Bastando clicar em “OK” e, em seguida, clicar na opção “Voltar”, que se encontra na parte inferior da caixa de “Carga de Tabelas do Sistema” (Figura 17).

Figura 19: Mensagem ao final do carregamento das Tabelas.                
A outra forma de importar as Tabelas do sistema é por meio da seleção da opção “Arquivo PDB baixado do portal do CMD” (Figura 20). Ao marcar essa opção, será aberta uma caixa de seleção do arquivo de importação (Figura 20), clique, então, no ícone com reticências e, em seguida, será aberta a caixa (Figura 20) onde deverá ser selecionado o arquivo que foi baixado do portal do CMD e salvo na máquina do usuário e clicar em “Abrir”.
Figura 20: Carga de Tabelas do Sistema por meio do Arquivo PDB baixado do portal do CMD.

NOVO CONTATO

Para registro de um Novo Contato Assistencial, clique em “Novo Contato” na tela inicial do Aplicativo de Coleta Simplificada do CDM (Figura 15) e preencha os campos da tela “Contato Assistencial” (Figura 21) conforme orientações a seguir.

Figura 21: Tela Contato Assistencial.

Identificação do Indivíduo

Para realizar a identificação do indivíduo e caso esteja utilizando um computador com acesso à internet, digite o número do Cartão Nacional de Saúde (CNS) do indivíduo no campo “CNS Definitivo” e clique no símbolo do CNS para que seja realizada a busca dos dados do indivíduo na base do CNS (Figura 22).

A busca do indivíduo também pode ser realizada pelo preenchimento dos campos “nome completo”, “nome completo da mãe”, “data de nascimento” e “município de nascimento”. Ao preencher todos esses campos, clique no símbolo do CNS para que seja realizada a busca do número do CNS na base de dados do CADSUSWEB. O preenchimento é obrigatório para todos os campos de identificação.

Além disso, caso esteja utilizando um computador sem acesso à internet, pode-se digitar manualmente todos os dados de identificação do paciente.

Na impossibilidade de identificação do indivíduo, em que haja impedimento em saber e preencher o Nome completo, Nome completo da mãe e CNS, deve-se preencher os campos “Justificativa” e “CPF operador” (Figura 20). Além disso, os campos Sexo; País de nascimento; País de residência; Município de residência e Data de nascimento devem estar preenchidos de acordo com estimativa e dados do estabelecimento de saúde. 

O campo “Justificativa” expressa a razão pela qual não foi possível obter os dados de identificação do indivíduo no contato assistencial e corresponde às seguintes opções:

  • 01- pacientes acidentados graves;
  • 02- pacientes psiquiátricos encontrados em vias públicas;
  • 03- pacientes com problemas neurológicos graves ou comatosos;
  • 04- pacientes incapacitados por motivos sociais e/ou culturais; e
  • 05- doador de órgãos falecido.

Em relação ao campo “CPF operador”, deve-se preenchê-lo com o CPF da pessoa que atestou a impossibilidade de identificação do indivíduo.

Figura 22: Tela Contato Assistencial: identificação do Indivíduo.

Informações do Contato Assistencial

Cada contato assistencial terá informações próprias que o caracterizam, por exemplo, CNES do estabelecimento e Data de Admissão.

É obrigatório o preenchimento de cada campo (Figura 23) contido na seção “Informações do Contato Assistencial”. Atente-se ao fato de que quando o desfecho for “Permanência” não deverá ser preenchido o campo “data do desfecho”.

Figura 23: Tela Contato Assistencial: informações do contato assistencial.

A Tabela 01 abaixo descreve o que cada campo da seção “Informações do Contato Assistencial” representa.

Tabela 01: Campos da seção “Informações do Contato Assistencial”.
Campo Preenchimento Obrigatório
CNES Digite o número e selecione o estabelecimento correspondente. Sim
Data de admissão Preencha a data de admissão do indivíduo no serviço (dd/mm/aaaa). Sim
Procedência Informe a procedência do indivíduo de acordo com a Tabela “Procedência”. Sim
Modalidade Informe a modalidade do serviço onde o contato assistencial está ocorrendo, de acordo com a Tabela “Modalidade Assistencial”. Sim
Caráter Informe o caráter do atendimento de acordo com a Tabela “Caráter do atendimento”. Sim
Desfecho Informe o desfecho do atendimento de acordo com a Tabela “Desfecho”. Sim
Data do desfecho Preencha a data de saída do indivíduo do serviço (dd/mm/aaaa). Sim

Problemas / Diagnóstico Avaliados

Nesta seção deverão ser acrescidos os problemas e/ou diagnósticos identificados tanto na admissão quanto no decorrer do contato assistencial.

Para cada problema e/ou diagnóstico, deve-se clicar no símbolo de + (Figura 24) e preencher os campos “Código-Descrição”, “Classificação” e “Indicador de presença na admissão”, conforme descrito na Tabela 02.

Figura 24: Tela Novo Contato: problemas/diagnósticos avaliados.
Tabela 02: Campos da seção “Problemas / Diagnóstico Avaliados”.
Campo Preenchimento Obrigatório
Código - descrição Digite o número do CID e selecione a descrição correspondente Sim
Classificação Informe se o CID selecionado é “principal” ou “secundário” Sim
Indicador de presença na admissão Selecionar uma das opções: Sim / Não / Desconhecido para identificar se o problema/diagnóstico é previamente conhecido na admissão do indivíduo. Sim

Ações Realizadas

Na seção “Ações Realizadas”, deverão ser preenchidos os procedimentos (“Ação”) realizados durante o Contato Assistencial. Para acrescentar cada ação, deve-se clicar no símbolo de + (Figura 25) e, então, preencher os campos existentes como orientado na Tabela 03.

Figura 25: Tela Novo Contato: ações realizadas
Tabela 03: Campos da seção “Ações Realizadas”.
Campo Preenchimento Obrigatório
Data realização Preencha a data de realização da ação (dd/mm/aaaa) Sim
Financiamento Informe a fonte responsável pelo custeio da ação de acordo com a Tabela “Fonte de Financiamento” Sim
Ação Digite o código do procedimento e selecione a terminologia correspondente Sim
Quantidade (Qtd) Informe a quantidade do procedimento realizado Sim
CBO Informe o número da CBO de acordo com o profissional que realizou a ação Sim
CNS Executante Informe o número do CNS do profissional que realizou a ação Sim
Equipe Informe o número do INE do estabelecimento que realizou o procedimento e que identifica um conjunto de profissionais de saúde destinado a um contato assistencial. Sim
Estabelecimento terceiro Informe o número do CNES do estabelecimento de saúde que identifica o serviço terceiro do contato assistencial. Não

Após o preenchimento de todas as seções necessárias para registro do contato assistencial, clique em “Salvar” no canto inferior direito da tela (Figura 21). O sistema apresentará uma mensagem informando que o Contato Assistencial foi salvo com sucesso (Figura 26).

Figura 26: Caixa de diálogo após salvar o Contato Assistencial.

Cabe ressaltar que o sistema poderá alertar quanto à existência de erros no preenchimento dos dados do Contato Assistencial, seja por conflito com as terminologias usadas no CMD ou por infringir alguma regra de negócio. Mesmo assim, o Contato Assistencial poderá ser salvo, exceto quando alguma informação obrigatória estiver faltando, e editado posteriormente por meio da funcionalidade de “Editar Contato”.

EDITAR CONTATO 

Esta funcionalidade permite alterar qualquer campo de um Contato Assistencial já salvo. Além de permitir acrescentar, no caso dos contatos com desfecho do tipo “Permanência”, as ações realizadas posteriormente ao último envio.

Para editar um Contato Assistencial já registrado, clique em “Editar Contato” na Tela Inicial do Aplicativo de Coleta Simplificada do CDM (Figura 15). Em seguida irá aparecer a tela abaixo (Figura 27) que apresenta a relação de Contatos Assistenciais salvos. 

Figura 27: Tela que apresenta a lista de contatos assistenciais salvos no Aplicativo de Coleta Simplificada do CDM.

Podem-se utilizar os seguintes campos de filtro: CNES do estabelecimento; CNS Paciente; Modalidade e Situação (todos, sem erro, com aviso ou com erro) para restringir a lista de Contatos Assistenciais apresentada. Dê um duplo clique na linha do Contato Assistencial desejado para abrir a tela do referido contato e realizar as devidas alterações (Figura 28).

Figura 28: Tela do Contato Assistencial.

Um contato assistencial já enviado anteriormente pode ser alterado e reenviado pelo estabelecimento de saúde, mantendo a mesma chave de registro, desde que seja reenviado dentro do prazo estipulado pelo webservice, que é de até 06 meses da data da realização do último procedimento.

ENVIAR CONTATO

Todo o envio de informações do CMD é feito por meio do webservice. O CMD permite que um contato assistencial seja enviado em "tempo real", o que resulta em vantagens para os estabelecimentos de saúde que optarem por enviar desta forma, bem como para as Secretarias de Saúde gestoras.

Todos os Contatos Assistencais enviados para o barramento passam por um conjunto de regras de validação mínima da consistência dos dados. O webservice pode rejeitar o Contato Assistencial em caso de incosistência ou liberar para as etapas de processamento.

Para configurar a transmissão dos contatos no Aplicativo de Coleta Simplificada do CDM, deve-se clicar no menu “Ferramentas” e, em seguida, clicar em “Gerenciar Transmissões” (Figura 29).

Figura 29: Menu “Ferramentas” → opção “Gerenciar Transmissão”.

Em seguida, o sistema abrirá a caixa de “Configuração de Envio” (Figura 30). Para prosseguir com a configuração, o operador deve, necessariamente, informar um CPF e senha de Perfil do CNES com permissão para transmitir um Contato Assistencial.

Na mesma caixa, o operador deverá informar a periodicidade em que deseja transmitir: Nunca (envio manual), Automático (a cada 30 minutos) ou programar a transmissão para até três horários (Figura 30).

Figura 30: Caixa de “Configuração de Envio”.

Para realizar a transmissão manual dos contatos ou para consultar o relatório de envio, deve-se clicar no menu “Ferramentas”, seguido da opção “Transmissão” (Figura 31). 

Figura 31: Menu “Ferramentas” → opção “Transmissão”.

Será aberta a caixa “Controle de transmissão de contatos assistenciais” (Figura 32), em que o operador poderá realizar o envio manual de cada contato dando “duplo clique” no contato desejado ou iniciar a transmissão de todos os contatos em fila ao clicar em “Iniciar Transmissão”.  No caso de transmissão individual de cada contato, o sistema exibirá a pergunta “Deseja transmitir esse item?” (Figura 32). Para transmitir, clicar na opção “Sim”. 

Figura 32: Caixa “Controle de transmissão de contatos assistenciais”.

É possível acompanhar o andamento da transmissão dos contatos no canto inferior direito da tela, conforme Figura 33. 

Figura 33: Acompanhamento da transmissão dos contatos.

Ao final da transmissão, o sistema exibirá um aviso para o operador, conforme Figura 34.

Figura 34: Aviso de finalização da transmissão dos contatos.

Ainda na caixa “Controle de transmissão de contatos assistenciais”, é possível verificar o status de envio de cada Contato Assistencial e gerar o “Relatório de Envio” (Figura 35).

Figura 35: Funcionalidade “Relatório de Envio” e campo “ENVIO”.

O status de envio “ERRO” indica que o Contato Assistencial infringiu alguma regra do barramento e foi, consequentemente, rejeitado. No “Relatório de envio de Contato Assistencial” (Figura 36), é possível verificar na coluna “Mensagem” qual foi o erro retornado pelo barramento. Conforme disposto na seção “7 – Editar Contato“ deste manual, o operador poderá editar o contato para corrigi-lo e reenviá-lo.

Figura 36: “Relatório de envio de Contato Assistencial”.

CONSULTAS E RELATÓRIOS

Para realizar consultas às Tabelas do Aplicativo de Coleta Simplificada do CDM, clique no menu “Consultas e Relatórios” e, em seguida, selecione a opção “Consultas” (Figura 37) para visualizar a relação das referidas tabelas e, então, selecione a tabela desejada para verificar o seu conteúdo.

Figura 37: Menu “Consultas e Relatórios” → opção “Consultas”.

Por meio do Aplicativo de Coleta Simplificada do CDM, é possível gerar relatórios que envolvam os Contatos Assistenciais digitados no aplicativo, bastando clicar no menu “Consultas e Relatórios” e, em seguida, selecionar a opção “Relatórios” e clicar em “Contatos Assistenciais (Figura 38). Dessa forma será aberta a caixa de “Relação Contato Assistencial” (Figura 39).

Figura 38: Menu “Consultas e Relatórios” → opção “Relatórios”.

Deve-se selecionar o tipo de Relatórios desejado, sendo que as opções são as seguintes:

  • Espelhos de Contatos Assistenciais: trará todas as informações salvas de todos os Contatos Assistenciais de uma determinada modalidade;
  • Contatos Assistenciais: este relatório exibe a lista de Contatos Assistenciais por estabelecimento em uma determinada modalidade. Nesse tipo de relatório é necessário definir o período da data de admissão; e
  • Erros de Consistência: ainda está em desenvolvimento.

Além disso, é possível estabelecer alguns filtros a fim de montar um relatório mais específico ou detalhado, selecionando, por exemplo, o tipo de procedência e/ou desfecho.

Figura 39: Caixa de seleção de Relatório.

Para que o relatório seja exibido, clique em “Exibir” (Figura 39). Uma caixa com a exibição do relatório desejado será aberta (Figura 40), a qual terá as opções de imprimir e salvar.

Figura 40: Relatório de Contatos Assistenciais.